Conto autoral: Unhas Pretas

large (8)

Unhas pretas

Autora: Luisa Soresini

Eram três horas da tarde. Hoje definitivamente é um dia que não passa.
– Você vai mesmo pintar suas unhas de preto? – Encarei minha manicure entediada e ela ficou meio sem graça – É ano novo né? E preto, bom, não combina com essa data…
Suspirei fundo. Achando aquilo insuportável.
– Por que acha que preto não combina com ano novo? – perguntei meio irritada – Tem algo errado com o preto?
Ela ficou meio na dúvida se respondia ou não a pergunta, mas tomou coragem e continuou:
– Bom… É uma cor que lembra luto, morte… Não traz boas coisas, boas vibrações, sabe? É uma ótima cor para você usar no dia das bruxas, por exemplo… – sorriu – Se quiser posso fazer umas unhas lindas decoradas nessa data para você!
Não acredito nisso. Não acredito mesmo.
– Então acha que se eu usar essa cor hoje à noite, eu posso trazer bruxas ou até má sorte? – ironizei.
– Bruxas não… – ela engoliu a seco, duvidosa – Má sorte talvez.
Bufei. Todo ano era a mesma coisa. Eu mudava de manicure, de salão, de pessoa e todo mundo vinha com aquele mesmo papo. O que as pessoas têm a ver com minhas unhas pretas?
– Por que não passamos então outra cor? – ela voltou a sorrir – Você ficaria muito bem de rosa, ou vermelho… Azul também é legal, é cor de esperança.
– Vai preto mesmo, moça!
– Tem certeza? – ela ficou desapontada.
Suspirei pensativa frente à expressão dela. Era sempre aquela expressão desgostosa. Suspirei e deixei o tempo passar por alguns segundos, vendo se aquele dia finalmente passava. Mas não passava.
Infelizmente.
Então me deixei levar por aquela coerção social idiota.
– Rosa… Passa rosa então.
– Sério? – assenti emburrada e ela correu e pegou a cor mais chamativa que conseguiu. Passando-a em meus pés e mãos com muita felicidade. Como se aquilo pudesse mesmo impedir que o meu gosto por preto chame bruxas ou má sorte.
Paguei a conta e sai do salão, meio indignada com aquele esmalte colorido e carnavalesco. Bufei. Era sempre a mesma coisa, aquela mesma rotina neste dia. Fui para casa e me preparei para a virada. Vesti uma roupa qualquer e fiz questão de colocar uma calcinha rosa para completar aquele conjunto sem noção de ano novo.
Cheguei à praia mais entediada ainda.  Não sei por que eu continuava fazendo aquilo todo o ano… Parei e suspirei aquele ar carregado de energias positivas. Aquela praia linda, lotada de gente, esperando os fogos de artifício. Seria que aquele ano podia ser diferente? Suspirei fundo e olhei ao redor. Vi a moça que fez a minha unha perto de mim. Na verdade, ela estava basicamente ao meu lado. Sorrindo e apontando para as minhas unhas. Feliz. Ela ia se aproximar, quando começou a contagem.

…5…4…3…2…1!

Os fogos não subiram. As luzes se apagaram e ficou um breu danado. Quando a luz voltou dava para ver a barca dos fogos pegando fogo na nossa frente. As pessoas chocadas. A música parou e as energias positivas também.
– Meu Deus, você viu isso? – ela ficou do meu lado, segurando minha mão.
– É não deu certo mesmo… – olhei minhas mãos e comecei a rir, impressionada com minhas habilidades.
– O que não deu… – ela se virou para mim e ficou chocada – Estão pretas?! Suas unhas estão pretas? Você tirou o esmalte?
– Pois é… – sorri e fui me afastando dela, ao som do corpo de bombeiros e policiais, então começou a chover e todos saíram correndo, enquanto a mulher continuava me encarando assombrada – Isso que dá tentar espantar a má sorte! – ri.
Talvez ano que vem eu use azul… Vai ver consigo realmente chamar bruxas, como fiz no ano passado.

***

Obrigada pela leitura!

Anúncios

Loucura Literária: A caçadora – sorriso de vampiro

Oi Oi Gente, como vão vocês? Passaram bem de Ano Novo?

Então vamos para a primeira resenha literária do ano! Uhull!

resenha a caçadora

Esse livro é nada mais, nada menos da nossa parceira a Editora Draco. Como os blogs selecionados poderiam escolher o livro que queriam, eu escolhi esse, o primeiro volume dessa série da autora Vivianne Fair, pois já queria lê-lo antes mesmo de fazer a parceria com a editora, então já era um sonho de consumo, quando surgiu a oportunidade, corri e adquirir o meu e-book.

Quem nunca se apaixonou por um vampiro, que atire a primeira estaca.

Para quem não conhecer o livro, ele se resume na história de Jéssica, uma simples secretária, “alta, magra e ruiva”, que recebe aos 29 anos a notícia de que ela e toda sua família são caçadores de vampiros. Ela não acredita nisso obviamente, mas percebe que faz sentido ao se dar conta que a riqueza dos seus pais não pareciam vir do seu ofício de dentistas. Com isso, empurrada pela tradição familiar e pelo grandioso cheque dado pelo Conselho (instituição dos caça-vampiros), ela segue rumo a Pensilvânia para se infiltrar numa universidade e matar um vampiro chamado Eric. Contudo, parece que o Conselho deu um pequeno deslise com relação ao nome do vampiro, não existe nenhum Eric, mais sim o lindo, comediante, charmoso e sedutor, Zack. O problema é que ela, como caçadora deve matá-lo, será que ela conseguirá?

Certo, acabei de fazer uma sinopse sem spoilers, arrasei. 🙂 Agora vamos falar do livro.

Enredo:

Em primeiro lugar, como uma boa professora de literatura que sou vou dividir o livro para facilitar minha análise (que chique, faço análises de livros oficiais rsrs). Bom, a história é simples, percebendo o fato que ainda não li os outros dois livros, mas é boa, bem estruturada, tem coisas que não são contadas de imediado. Isso é bom. A autora consegue segurar você no livro de uma forma bem divertida. Por mais que o livro tenha um possível final previsível (estou torcendo para esse final ok? Não é uma crítica), ele tem clímax, mistérios e quando você acha que deu cabo de todos, aparecem mais para serem resolvidos.

Personagens:

Jéssica é uma mulher madura, tem seus 29 anos, é ruiva e muito, MUITO engraçada. Eu a amei, super me identifiquei com ela, com suas piadas, com sua linha de raciocínio, ela é muito parecida comigo. Tirando o fato de ser ruiva, alta e magra rsrsrs. Sua habilidade de fazer piada em momentos péssimos da vida me lembra muito a mim mesma.

Enfim, minha mãe ligou-me no final do expediente, dizendo que tinha uma notícia muito séria para dar. Mil pensamentos passaram pela minha cabeça.
Ela vai se separar.
Fui adotada.
Tentou suicídio.
Tenho uma irmã gêmea que está planejando destruir o mundo em duas semanas.
Claro, minha autoestima pode ser alta, mas acho que sou meio pessimista. 

Zack como a própria Jéssica diz é um “pedaço de mau caminho”. Para mim ele está mais para o bom caminho, se você quiser ir direto para o inferno rsrsrs. Em todo o caso, ele é o centro das atenções, tem seu próprio fan club, é o queridinho das lideres de torcida, um verdadeiro deus grego (palavras da Jessi) e muito cômico. É um personagem brilhante.

– Pare de me interromper. Eu sei quem você é.
– Você quer dizer… o estudante de medicina Zack Redpath?
[…]
-Além disso.
– Ah, você descobriu que sou agente do FBI nas horas vagas. Então terei que te matar.

Os outros personagens que me marcaram são os amigos de Jessi, seu grupo de otakus e suas fieis escudeiras. Jessi, sua chefa, não faz parte desse grupo, com isso sai alguns eventos bem engraçados com relação as meninas e ela. Como sou amante de animes e cultura japonesa me identifiquei nas referências pop presentes no livro. É bem raro você ver esse assunto misturado com outras temáticas. Amei.

vampirinho

Linguagem

A linguagem que autora utiliza é bem fácil, sem palavras complexas que atrasam o enredo. É uma leitura fluída, bem meio a meio, meio fluxo de consciência, meio dialogo. Gosto de histórias assim, a única coisa que me incomodou foi quando a Jéssica explicava algumas frases que ela fazia que continuam duplicidade de sentidos. A autora, na minha opinião, usou isso para fazer uma piada. Eu também uso, acho legal, mas pouco. Das primeiras vez ficou legal, depois ficou um pouco chato. Contudo, nada que atrapalhe a leitura.

Para finalizar, eu amei o livro. Amei o enredo e os personagens e super me vi na situação da Jessi. Por isso recomendo o livro e já comprarei os outros dois.

Nota do livro:

coraçao inteirocoraçao inteirocoraçao inteirocoraçao inteirocoraçao inteiro

Para finalizar, uma tirinha que autora postou na sua página Recanto da Chefa no Facebook! Muito legal!

recanto da chega

É isso pessoal! Espero que tenham gostado da Resenha!

Abraços,

Luisa Soresini